Ninguém nos recebe com tanta alegria como o nosso cão. Estou tão feliz nos últimos meses que resolvi escrever este post apenas para falar sobre esta felicidade. Felicidade que não se mede, por sinal. Desde que a Kyra chegou em nossa casa, nossa vida definitivamente mudou. Acordamos cedo, caminhamos e nos exercitamos, brincamos e rimos muito, mas muito mais que antes. Ah, e passamos mais momentos de família em família realmente. O almoço de domingo é mais divertido, assim como as visitas na nossa casa…

É um sentimento tão bom, que nem sei como escrever sobre ele. Fico totalmente sem palavras. Lembro da vontade que eu tinha de ter um cão quando eu era pequena. Lembro também do dia em que eu e o meu marido, que também é alucinado por pets, chegamos a conclusão de que estava faltando um cusco no nosso humilde lar. Lembro exatamente do dia em que vi a foto da Kyra, que tinha outro nome e que era maltratada. E lembro mais ainda da noite antes de ela chegar na nossa casa: uma noite mal dormida, noite ansiosa e cheia de pensamentos.

Quando ela chegou, deu um pequeno medo. Afinal, um cachorro é uma responsabilidade e, por mais que estivéssemos preparados para isto, a preocupação é bem grande. Ela sofria maus-tratos. Tinha medo de tudo. Pessoas, crianças, brinquedos, sacos plásticos, portas. Em pouquíssimo tempo, o medo se transformou em carinho e proteção. Lembro da primeira noite já com a Kyra em casa. Olhei para o meu marido e comentei que a família estava crescendo. O sorriso no rosto dos dois expressava o momento e vai ficar sempre marcado.

Agora, a Kyra começou a se dar conta que eu volto tarde da noite para casa, depois do trabalho. Como dou aula, às vezes volto pelas 23h. Quando chega próximo das 22h, ela começa a cuidar todos os carros que chegam na garagem do meu prédio. Ela senta no pufe e ali ela fica olhando a janela. Quando ela vê que sou eu (ou sente, claro), ela vai direto para a porta e fica esperando até o momento mais esperado: a hora de fazer a maior festa para a minha chegada.

Sério, neste momento me sinto uma pessoa muito especial. Sinto que estou fazendo a minha parte e que ela sabe disso. Sinto que a felicidade está nas pequenas coisas dos nossos dias, e não nas grandes aquisições. Sinto um eu tão puro, que fico feliz comigo mesma ao saber que eu e o meu marido demos a oportunidade de uma família para uma cusquinha tão pequena e querida.

Os animais nos trazem muitas alegrias e o mínimo que temos que fazer é retribuir este carinho com atenção e mais carinho :)

LEIA MAIS POSTS SOBRE O DIÁRIO DA KYRA:

Diário da Kyra: o início de uma longa amizade

Diário da Kyra: a choradeira parou!!!

Diário da Kyra: ensinando o comando “senta”!